Monday, April 10, 2006

Hooligans :: História e factos


O fenómeno hooligan no futebol.

Actualmente é difícil definir, principalmente devido aos média, o que é o fenómeno hooligan no futebol. Muito, pelo facto das noticias transmitidas, serem, por vezes demasiado flexíveis e vagas na atribuição da etiqueta de “hooligan”.
O hooliganismo é visto pela maioria, como estando relacionado, com violência no futebol. Geralmente associado a desordem publica, imediatamente antes ou após um jogo de futebol – mas certamente que não – uma vez que muitos deste casos são espontâneos e estão relacionado com multidões e seus comportamentos. É certo, que diversos grupos se juntam (Firm´s) com o intuito de se favorecer encontros com outros ligados a clubes de futebol rivais, mas disso falaremos mais à frente.

Como e onde surgiu o movimento hooligan?

Tradicionalmente, o movimento hooligan, é apontado, como tendo surgido nos finais dos anos 60, percorrendo os anos 70 e 80 com força, só acalmando, após os incidentes de Heysel e de Hillsborough.
Mas contendas relacionadas com o futebol já existem desde o século XIX e devidamente documentados em vídeo, nomeadamente entre as datas de 1846 e 1880, sendo que a partir desta ultima data se tornaram cada vez mais comuns, tanto os confrontos, bem como as invasões de campo.
Será no entanto difícil de concluir de forma exacta e oficial, a realidade e frequência de tais episódios. Mais uma vez os média de nada ajudam, “oferecendo” noticias pomposas e que em nada ajudam para encontrar a verdade! Por isso, muitos reivindicam o fenómeno do hooliganismo no futebol como sendo uma realidade dos anos 70 e 80, por ter sido precisamente neste período que se vê de forma clara que se trata de um fenómeno organizado e de grande escala.

A comunicação social e o Hooliganismo

Na Inglaterra e não só, os tablóides, encontraram no hooliganismo um alvo fácil para o tipo de notícia sensacionalista e isso impulsionou e construiu a ideia que temos hoje de um hooligan. Ou seja, o estilo sensacionalista e as frequentes e poderosas manchetes dos jornais apoiados na imagem de violência, e o poder de impacto junto dos leitores tiveram um papel preponderante na ideia que temos hoje do hooligan.
Determinados jornais, por exemplo, como o diário Espelhe, numa edição de 1974, chega a criar uma tabela para demonstrar a reputação, segundo um ranking, dos vários grupos de hooligans existentes em Inglaterra na época. Os jornais são também por exemplo responsáveis pelo incitamento à xenofobia no mundo hooligan.
Este tipo de notícia criou o pânico geral!! O hooliganismo era e é visto como responsável na ascensão da violência em redor do Futebol.
Um bom exemplo disso encontra-se durante o euro96, mais precisamente a partir do momento em que se ficou a saber que numa das semi-finais se iriam defrontar as selecções da Alemanha e Inglaterra. A própria comissão responsável do euro criticou fortemente a cobertura exagerada do tema da violência em redor desse mesmo jogo. Dizendo que o que se estava a fazer era ajudar criar um alarme desnecessário.
A imprensa desta fora ajudou a aumentar o problema e a criar um medo que é completamente desproporcional à extensão real do problema.
Este estilo sensacionalista da imprensa influenciara também as decisões politicas, de medidas a tomar, perante o hooliganismo no futebol. O que resultou não foi mais do que uma variedade de medidas que em um curto espaço de tempo de viu não melhor a situação.
Será também justo mencionar, que existe o oposto. Casos em que os jornais foram “favoráveis” nas suas notícias e com isso ajudaram a colocar grupos como 'Tartan Army' e os 'Rooligans' fora da perspectiva negativa em que se encontram os restantes grupos pela Europa fora. Mostrando a “maravilha da paixão pelo futebol” e a “irmandade dentro das firm´s”.

São actualmente os hooligans um problema?

O hooliganismo no futebol mudou significativamente desde o “Taylor Report” de 1990.
Onde são apresentadas um conjunto de medidas com o objectivo de resolver o problema em que se tinham tornado os hooligans.
Desde então é comum encontrasse dentro dos estádios por todo o mundo, circuitos internos de vigilância e optou-se por uma politica de “lugares sentados”, entre outros exemplos. Isso fez reduzir de forma notória os conflitos dentro de estádios. Mas isto não quer dizer que deixo de existir hooligans por entre os adeptos de futebol.
Só fez com que estes, fossem procurar novos locais de encontro, como por exemplo bares, onde por sua vez “reúnem mais assiduamente”, tornar-se mais organizados e mais violentos. De facto a violência nos estádios ou nas suas imediações baixou. Mas a violência acabou?!?!
Estudos recentes mostram o contrário. Segundo a “National Criminal Intelligence Service” entidade que acompanha o fenómeno hooligan no Reino Unido, os processos relacionados com violência e hooligans quase que duplica, desde 1990. Grande parte dos conflitos, em que estão envolvidos hooligans Ingleses, acontecem agora fora do próprio país (Marselha World Cup 98; Charleroi Euro 2000, entre outros).
Como já foi dito o fenómeno hooligan não está exclusivamente associado aos adeptos Ingleses. Actualmente um pouco por toda a Europa surgem provas que este fenómeno se alarga a todos os países europeus. Em Agosto de 2000 dois adeptos do Leeds United são esfaqueados fatalmente em Galatasar, 24 horas antes do jogo das Champions League entre estes dois clubes.

O que faz uma pessoa ser hooligan?

É difícil de especular sobre o que faz uma pessoa envolver-se em violência. Será difícil apontar factores como a idade, sociais, económicos ou psicológicos, uma vez que está mais que provado, que estes não são indicadores onde se pode basear um estudo credível.
Sabe-se que nestes grupos, existe um forte sentimento de comunidade, uma vez que grande parte das Firm´s são constituídas por indivíduos pertencentes aos mesmos bairros ou cidade e sempre associadas a um clube de futebol local.
Seja como for o fenómeno podemos dizer está ligado a um forte espírito combativo e de territorialidade.

O Hooliganismo é uma “doença” Inglesa?

Por várias ocasiões o Hooliganismo foi apontado como uma “doença” inglesa. Mas a realidade é sem dúvida outra, este fenómeno não se limita àquela ilha mas atravessa para o continente. Em Dezembro de 2000 um jogo entre o Strasbourg e o Metz da primeira divisão francesa acaba com o árbitro a ser atingido com um “very light”. Neste mesmo dia também nos jogos entre o Marselha e Monaco, Lille e St Germain e Troyes de Bastia e de Paris, houve distúrbios causados por adeptos.
Em Itália grupos de hooligans envolvem-se em confrontos, o autocarro da equipa do Internazionale é impedido na sua marcha por um “cocktail Molotov” após a derrota na final da Taça contra o Parma por 6-1.
Na Grécia, O AEK Atenas teve o seu estádio proibido por quatro jogos, no seguimento de confrontos e invasão de campo durante um jogo para a Taça com o Olympiakos.
Actualemente será justo dizer que países como a Bélgica, Holanda e um pouco por toda a Europa Oriental, tem problemas tão graves ou mesmo piores com o fenómeno hooligan que a própria Inglaterra.

Podem acabar com o hooliganismo?

É pouco provável que violência ligada a multidões venha um dia a acabar. Sempre que grupos de adeptos se encontram, juntamente com a influência do álcool, existe sempre a possibilidade de acontecer distúrbios, não obstante haver um jogo de futebol ou não.
Um pouco de tudo já foi ensaiado para evitar confrontos entre hooligans. Desde leis, a novas “tácticas” policiais para controlar hooligans e à criação de unidades especiais para lidar com a violência relacionada com o futebol. Mas pouco se tem feito para estudar o fenómeno!! Pouco se tem feito para entender o problema e as constantes atitudes agressivas para com os adeptos por parte das forças policiais vieram trazer de novo o problema desta vez a países que nem conheciam o fenómeno. Acontecem cada vez o confrontos entre adeptos e forças policiais. A violência mantém-se, o motivo muda!!

12 comments:

Tanque Silva said...

Bem vindo !!! Parabéns pelo excelente artigo !!!

Tanque Silva said...

Bem vindo !!! Parabéns pelo excelente artigo !!!

GR1904 said...

Interessante a leitura deste texto que nos remete, no final, para uma sugestiva conclusão. A violência continua ao virar da esquina, mas cada vez mais entre a policia e os adeptos mais fanáticos. E isto só prova que a maneira como tem sido tratada a problemática dos grupos de apoio, tem sido marcada por graves defeitos.

Anonymous said...

Concordo plenamente com o comentario anterior. Cada vez mais os confrontos irao ser policia versus ultras , o que prova que as coisas cada vez tao pior

Desnorteado said...

grande post.. sim sra..

vou acrescentar alguns promenores que também acho intressantes, o fenómeno das firm's surge quando em ingalterra começam a construir vias férreas por todo o pais, e os bilhetes para viajar longas distancias era bastante barato, muitas vezes até gratis para ver os jogos de futebol, desta maneria muita gente (em alguns jogos milhares de pessoas) começaram a viajar para as outras cidades para ver a sua equipa, isto levou a um sentimento dos locais (quem jogava em casa) de "STAND FOR YOUR GROUND" comecaram a surgir os grupos violentos, que apelidamos de firm's. No principio um grande objectivo foi sempre tomar conta do bar onde a firm da casa se reunia o que mostrava a força das firms!

também um momento bastante importante relacionado com o holiganismo na inglaterra, foi quando esta foi banida das competições europeias pelo violência dos seus adeptos. isto chocou o mundo e foi g margaret tatchar aplicou uma serie de medidas k se fala no post. e conseguiu controlar um fenómeno que tomava dimensões muito alarmantes!

uma coisa é certa, um verdadeiro hooligan, vai ao futebol pela violência, e isso é um fenómeno mesmo inglês, á outro tipo de hooligans, que são aquela fação dos ultras mais agressivos como vemos em itália e agora cada vez mais e em muito grande número nos paises de leste!

HONRA E LEALDADE
Rui

Combat 14 said...

E em Portugal o que temos?? Existem Hooligans ou somente individuos que se pretendem fazer passar por hooligans??

E mais impotante teremos algumas vez firm´s de hooligans portuguesas e são elas desejaveis??

Desnorteado said...

em portugal nao temos hooligans de certeza... temos alguns casuais, mas que não é a mm coisa que ser um hooligan! nesses casuais quem os conhecer minimamente sabe que alguns deles gostam bastante de "molhar a sopa" mas não viajam só para isso.

As firm's quanto a mim não me parecem que sejam desejáveis e também é dificil de surgir em portugal... além de serem poucos a gostar desse tipo de cenas, não há mentalidade para serem leais e terem honra nos grupos que existem, fará agora criar se grupos onde isso é o MAIS ESSENCIAL!

há muito menino bonito que anda ai e apregoa ser hooligan por vestir isto ou aquilo... e na hora da verdade a roupa n salva ninguem.

acho que neste momento o pessoal do sporting tem um grande grupo de casuais a viajar, juntamente com o pessoal do grupo que a meu ver também se identificam um pouco com essa onda! de resto nos no name, pelo que vejo acho que existe quem prefira a cena casual mas sem dar muito nas vistas, akele factor que existe de vestir bem e aquelas amrcas axo que nos no name não se ve muito disso. os sd a mão ver não têm ainda este tipo de pessoal, ou se t~em são bastante poucos!

Saudaçoes
Rui

www.antiuniaodeleiria.blogspot.com said...

AS FIRMS EM NADA INTRESSAM AO NOSSO PAIS , BANDO DE COBARDES E DESORDEIROS

Combat 14 said...

Amigo entre seguir à risca o lema "stand your ground" e ter honra naquilo que se faz e dar e fujir escolho a 1ª. sem duvidas algumas...

Combat 14 said...

lembro te que existe o "código de conduta" entre as firm´s de hooligans.

para eles é importante o significado de fraternidade, amizade, unidade, espírito de grupo e disciplina.“stand your ground” não são apenas palavras é uma questão de honra!! Abandonar o “local”, “símbolos” ou um “irmão” não é uma opção.


e tu disto não tens em Portugal, o que existe é gajos que te mandam com pedras de longe e que quando podem roubam mas sempre em numero muito superior. mas quando as coisas aquecem fogem, deixam para trás o resto do pessoal e até colaboram com a polícia. todos nós conhecemos casos até em que são usadas armas para "conquistar" algo a outra claque.

OLDSTYLE said...

concordo plenamente..nos em portugal apenas lida-mos gajos k ss assumem ultras k n sabem o significado da palavra! temos hooligans em portugal?? temos nao tanto cm em outros paises mas temos!

Gilmara said...

Excelente texto!! Estava justamente procurando artigos sobre.
Acho que o "código de conduta" é interessante dentro da realidade deles, não que eu concorde com a idéia ou a proposta destes grupos, mas refletindo suas vidas é possível de imaginar o porquê deste código.